dezembro 24, 2010

Então é Natal...

Uma das minhas datas comemorativas preferidas do ano. Só perde para o meu aniversário...que é tão maior que não tem comparação...mas enfim, finalmente ele chegou.
Amo esta época porque ela vem colocar o ano que se encerra em perspectiva. Claro, eu sei que este é o propósito do Réveillon, mas em minha opinião como estamos ansiosos pela chegada do novo ano, não fazemos muitas reflexões. A virada é mais em função da promessa do que está por vir e menos do que passou.

Então, no Natal acho que as reflexões são maiores e as lições que extraímos do ano também. Acho que é por isso que as pessoas ficam tão loucas ao redor do dia 25, não porque estão exaustos ou à ponto de explodir, mas porque sabem que nesta época a verdade baterá a sua porta e muitas vezes ninguém está preparado para ouvi-la (e muito menos deixá-la entrar).

Como temos o costume de não comemorar nossas vitórias ou de dar o devido valor as pequenas coisas da vida, tendemos a nos martelar pelas coisas que deixamos escapar, as pendências que ainda estão no ar, os erros...que falha nossa. As coisas não estão como eu gostaria? Porque não mudar?

E para mim, é ai que mora o espírito natalino. Uma sensação que me preenche e me faz ver claramente que tenho tudo que preciso e mais. A possibilidade da mudança e da renovação está presente. Por isso acredito que a noite do Réveillon a coisa é mais festiva...porque já nos aceitamos como somos, já nos perdoamos e estamos renovado para encarar o novo desafio. Estamos leves.

A simplicidade de coisa é o que mais me fascina. Por que complicamos tanto, né?!
Se estamos rodeados de pessoas que amamos e que nos amam, tudo ficará bem. Clichê? Sim...mas é clichê por ser verdade. Não se mede o valor de um amigo que nos levanta na hora em que estamos no chão. Ou que senta ao nosso lado e chora junto. Não se mede o valor as saúde, até percebermos que sem ela perderemos tudo aquilo que valorizamos ao mesmo tempo.

Olhe para sua vida e pense se está dentro do que tinha programado. Se neste ano só foste à festa de final de ano da empresa, é bem provável que estejas abdicando dos momentos íntimos com familiares ou amigos. Se estas evitando teus melhores amigos e está escondido em casa, é provável que estejas tendo dificuldade em admitir algo a si mesmo (algo que eles notariam em dois segundos).

Se não foste avisada daquela festa da galera é provável que não tenhas prestado atenção nos teus arredores. Isto é sempre um perigo...quem muito olha para cima pode não ver o buraco no chão.

Mas, a beleza do Natal está justamente na possibilidade de mudarmos tudo isto...traçar outra rota, seguir por outro caminho. Começar do zero acho difícil e também um desperdício dos nossos aprendizados, nossas experiências tornaram este momento possível. Se apagarmos nosso passado podemos acabar perdendo a única coisa que sem a qual não conseguimos seguir...nossa essência.

“ God grant me the serenity to accept the things I cannot change, courage to change the things I can and wisdom to know the difference”

novembro 09, 2010

Arrumar-se para dormir sozinha

Hoje li na internet uma twittada que sintetizou meus pensamentos desde a semana passada. “Mulher é o único ser que vê razões para arrumar o cabelo, se perfumar, vestir um pijama novo perfeitamente passado para dormir sozinha” – Girl Acid.

Não sei se é a aproximação dos 30 no horizonte, ou se toda mulher chega a uma fase da vida e começa a agir assim (certamente muitas chegaram muito antes de mim...), mas agora estou assim. Arrumo-me para dormir. Amo ser mulher!

Um creme para o rosto, um para o corpo, uma para as mãos, outro para os pés. Xampu e condicionador que antes custavam – juntos, em torno de R$ 14,00, hoje passaram a custar pelo menos 4 X mais. Cada. Massagem, água de cheiro para dormir, manicure, pedicure...enfim, coisas que antes não entravam na agenda, agora entram. E encaixam bem.

Dá prazer hoje fazer estas coisas e como disse Girl Acid, é para dormir sozinha. Não é para conquista, não é para ganhar vantagem, nem para causar inveja (claro, sejamos honestas, despertar a curiosidade feminina alheia é sempre um elogio), é simplesmente porque é. Pelo sentir-se bem...bem cuidada, apresentada, disposta, bonita, etc.

Acho que eu comecei pelo hidratante de rosto esta transformação, hoje já rendeu academia, alimentação saudável, produtos de tratamento pessoal (vários), desencontro de alguns quilinhos – prefiro não dizer que perdi...vai que eles me acham e voltam. Sim, a conta aumenta. Mas, o que antes era custo agora virou investimento.

Agora entendo também o famoso texto do Jabor que diz preferir as mulheres acima dos 30...mais seguras, agindo por e para si sem muita preocupação com os pensamentos alheios. Concordo...sou muito mais eu agora do que há 10 anos atrás.

outubro 26, 2010

No ritimo da Curves!

Então eu finalmente comprei meu primeiro mimo da Curves com meus Curves Cash! Não é nada de espetacular...é um adesivo que está orgulhosamente no meu carro. Certamente, suei mais para comprar esse adesivo do que uma blusa que comprei com meu salário...

Mas, a coisa funciona mesmo como incentivo. O orgulho que sinto ao olhar meu adesivo I Love my Curves não se explica! Por sinal a frase tem sentido duplo, né?! Amo minha academia ou minhas curvas (que pouco a pouco aparecem novamente graças aos treinos)!!!

Ontem estava pensando que esta academia está mudando minha rotina. É praticamente um culto! Por isso funciona. Pela primeira vez como direito, escolho comidas saudáveis, etc. Claro, isto faz duas semanas...vamos ver até o final do mês se este animo segue ou se eu mordo alguém.

Mas realmente estou cada vez mais intrigada na forma como esta rede de academias conseguiu tornar-se uma cumunidade. No mundo são 4 milhões de alunas...praticamente uma Apple do mundo do exercício. Além dos serviços agregados já relatados neste singelo blog, agora ainda recebi mais uma funcionalidade: o blog Unidas Mais Fortes, onde somos incentivadas a ajudar outras mulheres a buscar uma melhora na qualidade de vida. Existe toda uma programação, identidade visual (inclusive identificação de PDV), por trás desta ação...

Certamente esta rede é um grande case de franquias, o padrão é rigorosa e inacreditavelmente aplicado, a logística da coisa é incrível.

outubro 15, 2010

Melhor bolo de cenoura com chocolate do mundo! Bom, pelo menos do meu...

Sabe aquele bolo de cenoura com chocolate que chega a brilhar de tão molhadinho e apetitoso? Pois então, eu Júlia Silla dos Passos, que nunca tive o tão chamado “dom” da culinária aprendi a fazer.

É possível encontrarmos de tudo no Google...foi lá que encontrei a receita que me garante o bolo perfeito de cenoura com chocolate. E depois de aprender algumas coisas, como por exemplo não tirar o bolo do forno e depois colocá-lo de volta, nem tirá-lo recém saído do forno da forma, ou para que serve o teste do palito...agora consigo um resultado como os da Vovó.

Então, resolvi escrever aqui no blog a receita, até para que eu não a perca, ai vai:

Ingredientes bolo:

- 3 cenouras sem pele cortadas em pedaços;
- 3 ovos;
- 1 xícara de chá de óleo;
- 3 xícaras de chá de farinha de trigo;
- 2 xícaras de chá de açúcar;
- 1 colher de sopa de fermento em pó químico;

Mistureba:

Colocar os 3 primeiros ingredientes no liquidificador durante 5 minutos.
Despejar em uma tigela e misturar as 3 xícaras de farinha, depois as 2 de açúcar e depois o fermento.
Unte a forma com margarina, despeja a massa do bolo dentro e vai ao forno.
Eu, pré aqueço o forno em torno de uns 5 minutos na temperatura em torno de 250º. Coloque a forma e deixe por 40 minutos.

Pronto!

Ele está lindo dentro do forno (ou fora), grande, brilhoso e com partes crocantes em cima...hummm....super Ana Maria Braga!





A calda é mais fácil ainda, os ingredientes são:

- 3 colheres de sopa de chocolate em pó;
- 2 colheres de sopa de açúcar;
- 1 colher de sopa de manteiga;
- leite;

Mistureba:

Coloque tudo numa panelinha no fogo baixo e mexa. Complicado?
Agora que o bolo esfriou um pouco, tire-o da forma e banhe na calda...afff, que fome!

Tão lindo pronto...


outubro 14, 2010

Mais Curves, menos medidas

Que eu sou apaixonada pela minha academia, todo mundo já sabe. Mas, ela me surpreendeu mais uma vez. E não digo isso porque adoro a Curves, mas porque realmente estou impressionada com o universo Curves.

Recebemos por e-mail todos os meses a programação do mês subseqüente. Neste mês estamos na operação verão. Sabem como começou a minha? Com uma ligação, uma não duas ligações, para saber por que eu não aparecia há 9 dias. Aff...desde quando academias fazem isso? Uma vez, fiz um plano anual (em outra academia), fui uma semana e nunca mais apareci...até hoje meu telefone é o mesmo e ninguém me ligou.

Enfim, voltando à operação verão. Trata-se de um site voltado as alunas da rede Curves, não só da unidade onde eu faço. Neste site é possível encontrar artigos de beleza, dicas e tendências da moda, dicas para gestantes e mamães, saúde, bem estar...enfim, dá para entender, né?! Mas além disto, tem o Diário de Calorias.

Parece horroroso, mas não é. Muito antes pelo contrário. A minha maior frustração com todos os planos de emagrecimento do mundo sempre foram que, na hora H eu não sabia quantas calorias tinham o que ou o que era bom ou ruim de misturar.

No meu novo diário, registrei durante dois dias meus hábitos normais de alimentação (que descobri não serem dos piores), e comecei a perceber onde estavam os problemas. Faz dois dias que me mantenho abaixo das calorias aceitas e não tenho a mínima fome. Milagre.

Claro, tem as descobertas ruins...tipo, uma garrafa de vinho são praticamente 1000 calorias. Numa dieta diária de 1600 calorias, tive que calcular bem como encaixá-la. No sábado pretendo dormir direto até às 21:00, comer uma torrada e tomar meu vinho. Quem disse que não dá?!

Brincadeiras a parte, é engraçado vermos que ainda existem formas de surpreendermos nossos clientes com ferramentas e soluções simples. Esta formula pode ser aplicada à uma serie de segmentos, por exemplo lojas. Porque não?

Personal stylist no site da sua loja favorita. Totalmente possível basta uma visita à loja para registrar medidas e etc. Depois é só alimentar o sistema com as roupas compradas nos últimos meses (pelo código de barras p.e.), e sugerir novas peças, montar looks, misturar tecidos, padrões e cores para pessoas como eu, que ainda acham que o cinto deve combinar com o sapato.

Enfim, a criatividade e atenção ao cliente é o que difere as empresas no mundo de hoje...ainda.

outubro 05, 2010

Dá para esperar a bagagem chegar, hein?!

Cá estou eu sentada no aeroporto do Rio, recém chegada na cidade maravilhosa para aparecer de surpresa no aniversário de 60 anos do meu pai. Sim, como presente resolvi dar-lhe um ataque cardíaco.

Enfim, sentada dentro do avião após o pouso, comecei a refletir sobre uma coisa que sempre me incomoda, e muito. Hoje em dia o discurso mais usado como desculpa para a falta de contato humano, de atenção e às vezes da simples educação é: a correria do cotidiano (que supostamente é imposta pelo próprio cotidiano).

Eu, já acho que o pessoal adora reclamar e causa situações onde o possa fazer de forma sustentada. Por exemplo, se a vida já está mega corrida, se as pessoas não tem tempo nem de pensar: por que diabos então, são incapazes de esperar o avião PARAR para levantar, pegar a bagagem de mão e ficar em pé esperando até que as porta de abram?

Alguém? Alguém tem uma teoria? Por que eu penso que esperar a aeronave parar, esperar SENTADA enquanto as pessoas abrem as portas e depois me levantar, como o soneca do celular...5 minutos preciosos para não fazer nada.

Vejam bem, hoje por exemplo, a escada de desembarque demorou para chegar até o avião então os 5 minutos normais viraram 10. Imaginem se as pessoas não estariam enlouquecidas já, culpando a companhia aérea.

Esperar em pé sempre faz o tempo passar de minutos a anos. É como a teoria do banheiro aquela, 5 minutos podem ou não ser excruciantes, tudo depende de que lado da porta você está.

Ai, chega na esteira para buscar a mala, adivinha? Parece um galinheiro, todo mundo empoleirado, de maneira que VER a sua mala já é um desafio. Pergunto-me novamente, o que custa para o cidadão que em tese só quer acalmar a vida, ficar fora das linhas amarelas que estão no chão? Assim, não só se enxerga a bagagem como também não é preciso sair no tapa para buscá-la.

Se as pessoas querem calma então tem de aprender a esperar...não, não é simples. Para mim então (quem conhece sabe)...mas, tento exercitar minha paciência. Fico sentada dentro do avião até que ele abra as portas, falo em voz alta: para que correr? – quando alguém corta a minha frente na fila de saída. Resmungo para pegar as bagagens: Ah...mas para que esta aglomeração?

Dado, pode até ser que um dia alguém perca a paciência comigo e eu acaba em maus lençóis, mas pelo menos exercito meu auto-controle.

E você, enxerga a linha amarela?

setembro 30, 2010

Comer, Rezar, Amar

Num destes lances de pura sorte, fui convidada por uma amiga hoje para assistir em primeira mão o filme Comer, Rezar, Amar. Não...ainda não li o livro...mas já iniciei o que temo ser uma longa madrugada na procura do exemplar que temos aqui em casa.

Sim, o tema é de auto-ajuda. Mas, a criatividade com que as cenas foram feitas, a paisagem, as tiradas, os atores, foram especialmente propícios para este filme. Assim como Julia Roberts, narro algumas lições aprendidas (antes do livro):

1º Todo mundo tem vontade de largar tudo e se encontrar;
2º Infelizmente, poucos têm a coragem suficiente para se encararem;
3º Às vezes, a pessoa que mais nos atrapalha somos nós mesmos;
4º O equilíbrio da vida está na capacidade de desequilibrarmos tudo;
5º Essa é importante, muito importante: assista a este filme em uma matine, preferencialmente no sábado. Sozinha ou com as amigas, tanto faz. Por que depois, a mente flui muito solta e fica complicado organizar os pensamentos.

Difícil dizer, por que precisamos abdicar de tudo e mudar completamente de lugar para nos conhecermos. Claro, tem a razão óbvia do exílio, forçamo-nos à adaptação e assim descobrimos nossa força interior. Aprendemos nossos limites e aceitamos conselhos (que geralmente nos são dados em casa), de estranhos como se fosse o segredo da vida.

Estou começando a achar que é mais do que somente estas razões fáceis. Acho que a destruição traz a oportunidade para o novo, para entrarmos no caos basta deixar as coisas como estão. Sair dele, somente se entendermos que o caminho é a simplicidade, a ingenuidade.

Na confusão dos pensamentos, é possível às vezes encontrar coerência. Com sorte, aprendemos cedo a saborear a boa comida – sem contar suas calorias, as boas companhias – sem exigir delas aquilo que não pode ser renunciado, o silencio – sem encará-lo como isolamento e bel far niente.

setembro 22, 2010

Cartas para Julieta...romance juvenil, mito ou estratégia de marketing?

Não sei se alguém viu o filme Cartas para Julieta que trata de uma garota incrivelmente romântica que acredita que amor verdadeiro atravessa gerações e dura toda a eternidade.
O enredo é clássico, mulher comprometida com um babaca – conhece outro babaca que acaba revelando-se um príncipe – enquanto busca pelo amor perdido da avó do segundo babaca – descobre o amor verdadeiro – larga o primeiro babaca – vai atrás do segundo – que parece ter se apaixonado por outra – que na realidade não é outra – uma cena clichê depois, finalmente os pombinhos ficam juntos.


Ah sim, sem contar o cenário onde tudo se passa. Itália. Um dos países mais românticos de todos os tempos, berço de uma das maiores histórias de amor conhecidas até hoje. Nem preciso dizer que hoje meu rosto está todo inchado de tanto chorar...lógico, para quem chora até em comercial de telefonia, esta programação me desidrataria na certa. Mas esta não é a questão. O foco é marketing, acreditam?

A protagonista vai à Itália para uma pré lua de mel e em Verona conhece as Secretárias de Julieta. Trata-se de um grupo de voluntárias que, há mais de 70 anos, responde à cartas deixadas na parede de pedra do jardim da casa de Julieta Capuleto.

Milhares de cartas de todas as nacionalidades, línguas e dialetos são deixadas anualmente na parede de pedras que cerca o jardim, aguardando ansiosamente pela resposta que acalmará o coração e a alma da remetente.

Os assuntos tratam basicamente de amor, achar e perdê-lo, lembrar e esquecê-lo...São escritas por adolescentes apaixonadas que vivem as dores da primeira afeição ou mulheres que sobreviveram e venceram as dificuldades de um grande amor. Emoções e desejos que se perpetuaram através dos séculos e que seguem regendo as maiores loucuras praticadas pelos seres humanos. Mesmo apesar de o romantismo (na sua forma mais explicita), estar mais oculto nos dias de hoje, materializando-se em forma de e-mail, SMS, Facebook, etc.

À parte da fábula, as Secretárias de Julieta são reais, verídicas. Um grupo de mulheres que responde todas as cartas destinadas à um dos grandes símbolos de amor. E na minha opinião, é uma grande jogada!

Seja pelo mito, seja pela crença em um amor tão lindo e puro quanto o vivido pelos jovens apaixonados de Shakespeare. Qualquer que seja a razão, as cartas têm um peso especial, são individualizadas e atendem ao suplico especifico de cada uma das inúmeras autoras.

Não seria isto a excelência do atendimento ao cliente? Uma solução personalizada para cada necessidade? Uma atenção tão especial e intima que conquista até o mais exigente e ferido dos clientes?

Aproveitar esta chance pode ser arriscado, visto que se trata de sentimentos e como todo mundo bem sabe, eles não seguem lá os caminhos mais lógicos da vida. São fatores de sucesso para qualquer operação.

Mas, esta atração turística conseguiu utilizar-se muito bem desta oportunidade. E não foi pela visibilidade que isto proporcionaria, nem pelo aumento projetado de turistas consumistas na cidade, nada de retorno imediato e nem monetário. Não. Mas sim pela genuína vontade de atender aos pedidos dos clientes ou de simplesmente ouvi-los.

A mais simples e pura verdade é que: prestar atenção, mas realmente prestar atenção, cativa!

Vamos à Verona?

Ou podes visitar o site das Secretárias de Julieta: http://www.julietclub.com/index_en.asp

setembro 13, 2010

Meu querido diário de malhação

Ok, ok...então é possível que comer Penne ao Funghi na noite que antecede a reavaliação física na academia pode não ter sido a melhor das minhas idéias. Mas, a janta valeu...e mais que isso a reunião das amigas.

Pois então, ainda não completei um mês na Curves (porque para variar fiz a inscrição e demorei para voltar), mas fiz minha primeira reavaliação depois de três semanas de exercícios. E, apesar da minha própria sabotagem, me livrei de 5 cm que estavam espalhados pelo corpo. Redução de kg em si, ainda não aconteceu...mas culpo o desenvolvimento da minha musculatura por isso.

Isto me rendeu Curves Cash!! Sim...até agora acumulo uma fortuna no total de 3 CC, uau. Mas não vou me intimidar...de 5 cm em 5 cm pelo menos as calças voltam a servir e posso usar grande parte do guarda roupas de novo! Praticamente como se tivesse comprando roupas novas!

Estes dias recebi o e-mail do Diário de uma Mulher, em que a coitada começa uma nova vida através da dieta e exercícios e ao final do mês está quase em surto. Comendo frangos que dançam ao redor da cama dela enquanto ela tenta dormir. Eu ainda não cheguei no primeiro mês...mas espero que não seja assim.

De um jeito ou de outro...operação golfinho segue a diante! Ansiosamente esperando o jejum que antecederá a próxima avaliação!

setembro 06, 2010

No rastro do Duke

Nem um mês depois de chegar aqui em casa, meu pequeno destruidor já está maior. Bem maior. Com o tamanho veio também a coragem de explorar novos objetos em casa. O cusco que antes era calmo agora está bem ambientado.

Na primeira tentativa de banho no veterinário, ele ganhou diversos brinquedos de morder. Até os usa...mas o rastro da destruição já começa a aparecer em casa. O banho foi uma tentativa frustrada...nas quatro últimas quadras do percurso de volta para casa ele conseguiu fazer pipi e regurgitar no cobertor dele. Logo em seguida ele escolheu aquele canto para sentar-se. Resultado: dois banhos no mesmo dia.

Como já está grandinho, agora ele elegeu a sua poltrona para descanso, já que no sofá ele ainda não consegue subir. Primeiro porque as pernas de trás ainda não impulsionam tão alto. Segundo porque este ainda é o único refugio da Chica...e toda vez que ele tenta, ela aproveita as vantagens que tem (tamanho e experiência) e bate nele.

Mas não é isso que acaba com a diversão do baixinho. Agora que os dentinhos estão afiadinhos ele escolhe os brinquedos ao passar pelos cômodos da casa. Já se foram:

1 tubo de pomada, a dele por sinal.
2 guias telefônicos.
Arranjos de pimenta (de pano, claro).
1 livro.
Incontáveis revistas.
Alguns panos.
2 porta copos.
1 barco de madeira.

O brinquedo favorito ainda é o rabo da Chica...e agora ele descobriu que as orelhas dela também são o máximo. Pobre Chica! E como todo homem, segue fazendo pipi fora do lugar e adora um colinho!

setembro 05, 2010

Discuros Steve Jobs - Stanford University 2005

Este discurso rendeu inúmeras versões em vídeo, milhões de visualizações e cinco anos depois, ainda é tópico de busca na internet e rende discussões intermináveis sobre o sentido das coisas e a forma como elas se encaixam. O texto pode parecer bem piegas, mas as mensagens são sensacionais e vale a leitura. Ou releitura. Ou re-releitura...como no meu caso.

Cada vez que leio, tenho impressões e reflexões diferentes. Este texto demonstra, com três exemplos da vida pessoal de Steve Jobs, a filosofia de gestão que ele aplica em uma das empresas mais cobiçadas, imitadas, invejadas e idolatradas do mundo.

"Estou honrado de estar com vocês hoje na sua graduação de uma das melhores universidades do mundo. Eu nunca me formei na faculdade. Verdade seja dita, isso é o mais perto que já estive de uma graduação de faculdade. Hoje eu quero lhes contar três histórias da minha vida. Só isso. Nada de mais. Apenas três histórias.

A primeira história é sobre ligar os pontos.

Ligar os Pontos

Eu larguei a Faculdade Reed depois dos primeiros 6 meses, mas então continuei ao redor por mais 18 meses ou mais antes de realmente largar. Mas por que eu larguei?

Começou antes de eu ter nascido. Minha mãe biológica era uma jovem, não-casada estudante de graduação de faculdade, e ela decidiu me colocar para adoção. Ela sentia muito fortemente que eu deveria ser adotado por pessoas formadas, então tudo estava preparado para eu ser adotado no nascimento por um advogado e sua esposa. Exceto que quando eu apareci eles decidiram no último minuto que eles queriam mesmo uma menina. Então meus pais, que estava numa lista de espera, receberam uma ligação no meio da noite perguntando: “Temos um menino bebê inesperado; vocês o querem?” Eles disseram: “Claro.” Minha mãe biológica descobriu mais tarde que minha mãe nunca se formou na faculdade e que meu pai nunca se graduou do colégio. Ela se recusou a assinar os papéis finais de adoção. Ela apenas cedeu alguns meses depois quando meus pais prometeram que um dia eu iria para a faculdade.

E 17 anos depois eu fui pra faculdade. Mas eu ingenuamente escolhi uma faculdade que era quase tão cara quanto Stanford, e toda a poupança dos meus pais de classe média estava sendo gasto na minha faculdade. Depois de seis meses, eu não conseguia ver o valor nisso. Eu não tinha idéia do que queria fazer da minha vida e nenhuma idéia de como a faculdade iria me ajudar a descobrir. E aqui estava eu gastando todo o dinheiro que meus pais economizaram suas vidas inteiras. Então decidi largar e confiar que tudo daria certo. Foi bem assustador na época, mas olhando para trás foi uma das melhores decisões que já fiz. A partir do momento em que larguei eu pude parar de assistir às aulas obrigatórias que não me interessavam, e começar a assistir às que me interessavam.

Não foi tudo tão romântico. Eu não tinha um dormitório, então eu dormia no chão do quarto de amigos. Eu devolvia garrafas de Coca-cola por 5 centavos para comprar comida e eu andava uns 10km pela cidade todo Domingo à noite para ter uma boa refeição por semana no templo Hare Krishna. Eu adorava isso. E muito do que eu esbarrei em seguir minha curiosidade e intuição acabou se tornando de grande valor mais tarde. Me deixem dar um exemplo:

A Faculdade Reed, naquela época, oferecia talvez a melhor instrução de caligrafia do país. Por todo o campus cada pôster, cada etiqueta em cada armário, era maravilhosamente caligrafada à mão. Por causa de eu ter largado e não precisar mais ver as aulas normais, decidi ter aulas de caligrafia para aprender como fazer aquilo. Aprendi sobre tipos de serifa e sans serifa, sobre variar a quantidade de espaço entre diferentes combinações de letras, sobre o que fazia a grande tipografia grande. Era maravilhoso, histórico, artisticamente sutil de uma maneira que a ciência não consegue capturar, e eu achava fascinante.

Nada disso tinha nem uma esperança de aplicação prática na minha vida. Mas dez anos mais tarde, quando estávamos desenvolvendo o primeiro computador Macintosh, tudo isso voltou para mim. E nós desenhamos tudo isso no Mac. Foi o primeiro computador com tipografia maravilhosa. Se eu nunca tivesse entrado naquela único curso na faculdade, o Mac não teria múltiplos tipos ou fontes proporcionalmente espaçadas. E como o Windows apenas copia do mac, é possível que nenhum computador pessoal tivesse. Se eu nunca tivesse largado, nunca teria entrado naquela aula de caligrafia, e computadores pessoais poderiam não ter a maravilhosa tipografia que têm. Claro, era impossível ligar os pontos olhando para frente quando estava na faculdade. Mas estava muito, muito claro olhando dez anos para trás depois.

Novamente, você não pode ligar os pontos olhando para a frente; você apenas pode ligá-los olhando para trás. Então você tem que confiar que os pontos vão, de alguma forma, se ligar no seu futuro. Você tem que confiar em alguma coisa – sua força, destino, vida, carma, qualquer coisa. Isso nunca me deixou na mão, e tem feito toda a diferença na minha vida.

Minha segunda história é sobre amor e perda.

Amor e Perda

Eu tive sorte – encontrei o que amava cedo na minha vida. Woz e eu começamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Trabalhamos duro, e em 10 anos a Apple cresceu de apenas nós dois em uma garagem para uma empresa de US$ 2 bilhões com mais de 4 mil funcionários. Tínhamos acabado de lançar nossa melhor criação – o Macintosh – um ano antes, e eu tinha acabado de fazer 30 anos. E então eu fui demitido. Como você pode ser demitido da empresa que começou? Bem, quando a Apple cresceu contratamos alguém que eu pensava que era muito talentoso para tocar a empresa para mim, e pelo primeiro ano e pouco as coisas iam bem. Mas então nossas visões de futuro começaram a divergir e eventualmente tivemos uma briga. Daí, nossa junta diretora se junto a ele. Então, aos 30, eu estava fora. E bem publicamente fora. O que tinha sido o foco da minha vida adulta inteira tinha ido embora, e isso foi devastador.

Eu realmente não sabia o que fazer por alguns meses. Eu sentia que tinha decepcionado a geração anterior de empreendedores – que eu soltei o bastão enquanto estava sendo passado para mim. Eu me encontrei com David Packard e Bob Noyce e tentei me desculpar por cagar tão feio. Foi um fracasso muito público, e eu até pensei em ir embora do Vale. Mas alguma coisa começou a crescer em mim – eu ainda amava o que fiz. O andar da carruagem não mudou nem um milímetro na Apple. Eu tinha sido rejeitado, mas eu ainda estava apaixonado. Então decidi começar de novo.

Eu não enxerguei naquela época, mas o fato é que ter sido demitido da Apple foi a melhor coisa que poderia ter acontecido comigo. O peso de ser bem sucedido foi substituído pela leveza de ser um novato novamente, menos certo sobre tudo. Me liberou para entrar em um dos períodos mais criativos da minha vida.

Durante os cinco anos seguintes, eu comecei uma empresa chamada NeXT, outra empresa chamada Pixar, e me apaixonei por uma mulher incrível que se tornaria minha esposa. Pixar acabou criando o primeiro filme de longa metragem animado por computador, Toy Story, e é agora um dos mais bem sucedidos estúdios de animação do mundo. Em uma incrível virada de eventos, a Apple comprou a NeXT, eu retornei à Apple, e a tecnologia que desenvolvemos na NeXT está no coração do renascimento atual da Apple. E Laurene e eu temos uma maravilhosa família juntos.

Tenho muita certeza que nada disso teria acontecido se eu não tivesse sido demitido da Apple. Foi um remédio terrivelmente amargo, mas acho que o paciente precisava disso. Algumas vezes a vida bate na sua cabeça com um tijolo. Mas não perca fé. Você tem que achar o que ama. E isso é verdade tanto para sua vida profissional quanto amorosa. Seu trabalho vai preencher uma grande parte da sua vida, e a única maneira de se sentir verdadeiramente satisfeito é fazendo o que acredita ser um grande trabalho. E a única maneira de fazer um grande trabalho é amando o que você faz. Se ainda não encontrou, continue procurando. Não pare. Como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrá-lo. E, como qualquer grande relacionamento, vai apenas se tornando melhor e melhor à medida que os anos passarem. Então continue procurando até encontrá-lo. Não pare.

Minha terceira história é sobre morte.

Morte

Quanto eu tinha 17 anos, li uma frase que era mais ou menos assim: “Se você viver cada dia como se fosse seu último, algum dia você certamente estará certo.” Deixou uma impressão em mim, e desde então, nos últimos 33 anos, eu olhava no espelho toda manhã e me perguntava: “se hoje fosse o último dia da minha vida, eu gostaria de fazer o que estou para fazer hoje?” E sempre que a resposta era “Não” por muitos dias seguidos, eu sabia que tinha que mudar alguma coisa.

Lembrar que eu estarei morto logo é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões na vida. Porque quase tudo – todas as expectativas externas, todo o orgulho, todo medo de embaraçamento ou fracasso – essas coisas simplesmente padecem em face da morte, deixando apenas o que é verdadeiramente importante. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço de evitar as armadilhas de pensar que você tem algo a perder. Você já está nú. Não há razão para não seguir seu coração.

Mais ou menos um anos atrás, eu fui diagnosticado com câncer. Eu tinha um scan à 7:30 da manhã, e ele claramente mostrou um tumor no meu pâncreas. Eu nem mesmo sabia para que servia um pâncreas. Os médicos me disseram que era quase certo ser um tipo de câncer que é incurável, e que eu deveria esperar viver não mais do que três a seis meses. Meu médico me aconselhou a ir para casa e deixar as coisas em ordem, que é um código de médico para “prepare-se para morrer”. Significa tentar dizer a seus filhos tudo que pensou que teria os próximos 10 anos para explicar, em apenas alguns meses. Significa ter certeza que tudo está abotoado para tornar as coisas o mais fácil possível para sua família. Significa dizer seus adeus.

Eu vivi com esse diagnóstico o dia todo. No fim do dia eu fiz uma biópsia, onde eles enfiam um endoscópio pela garganta, através do meu estômago até meu intestino, colocam uma agulha no meu pâncreas e tiram algumas células do meu tumor. Eu estava sedado, mas minha esposa, que estava lá, me disse que quando eles viram as células sob um microscópio os médicos começaram a chorar porque acabou sendo uma forma muito rara de câncer pancreático que é curável com cirurgia. Eu fiz a cirurgia e estou bem agora.

Isso foi o mais próximo que cheguei de encarar a morte, e espero que tenha sido o mais próximo por mais algumas décadas. Tendo vivido por isso, eu posso dizer isso a vocês agora com um pouco mais de certeza do que quando a morte era útil mas puramente um conceito intelectual:

Ninguém quer morrer. Mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para chegar lá. E mesmo assim a morte é um destino que todos compartilhamos. Ninguém nunca escapou dele. E é assim mesmo que tem que ser, porque a Morte é provavelmente a melhor invenção da Vida. É o agente de mudança da Vida. Ela limpa o velho para abrir caminho para o novo. Agora mesmo o novo são vocês, mas algum dia, não muito longe de agora, vocês gradualmente se tornarão o antigo e serão limpados fora. Desculpe ser tão dramático, mas é bem verdade.

Seu tempo é limitado, então não o desperdicem vivendo a vida dos outros. Não sejam amarrados por dogma – que é viver com os resultados dos pensamentos de outras pessoas. Não deixe o barulho da opinião dos outros afogar sua própria voz interior. E mais importante, tenha a coragem de seguir seu coração e intuição. De alguma forma eles já sabem o que você verdadeiramente quer se tornar. Todo o resto é secundário.

Quando eu era jovem, havia uma publicação incrível chamada O Catálogo do Mundo Inteiro, que foi uma das bíblias da minha geração. Foi criado por um colega chamado Stewart Brand, não muito longe daqui, em Menlo Park, e ele trouxe isso à vida com seu toque poético. Isso foi no fim dos anos 60, antes dos computadores pessoais e ferramentas de editoração, então foi tudo feito com máquina de escrever, tesoura e câmeras polaroid. Era algo com o Google em formato de papel, 35 anos antes do Google nascer: era idealista, e transbordando de ferramentas legais e grandes noções.

Stewart e sua equipe lançaram várias edições do Catálogo do Mundo Inteiro, e então, quando chegou ao fim do seu curso, eles lançaram uma edição final. Era no meio dos anos 70, e eu tinha a idade de vocês. Na capa de trás da edição final havia uma fotografia de uma rua de campo de manhã cedo, do tipo onde vocês se encontraria pedindo carona se forem aventureiros. Embaixo estavam as palavras: “Mantenham-se com Fome. Mantenham-se Tolos.” Foi a mensagem de despedida deles quando estavam se desligando. Mantenham-se com Fome. Mantenham-se Tolos. E eu sempre desejei isso para mim mesmo. E agora, como vocês estão se graduando para começar o novo, eu desejo isso para vocês.

Mantenham-se com Fome. Mantenham-se Tolos.

Muito obrigado a todos vocês".

setembro 02, 2010

Message in a bottle

Porque eu nunca tinha visto uma idéia destas não sei, pode muito bem ter sido por desatenção. Alias, isto é muito provável visto que hoje tive a capacidade de perder a tarraxa do meu brinco em casa e achá-la no escritório. Enfim...

No jornal hoje está uma matéria sobre a artista plástica Elida Tessler. Ela está preparando uma peça para a mostra Dubling, que será realizada em Miami.

Trata-se de garrafas de vinho, que possuem impressas em suas rolhas, gerúndios que ela encontrou no livro Ulisses. Nelas estão as mensagens: Waiting, Begining, Being, Pulling, Barring, entre outras.

É a típica idéia que pode facilmente virar ação de marketing...daquelas que faz com que nossos concorrentes digam: “Ai no creo... Mas é ridículo de tão óbvio”! Imagina as possibilidades...pode-se imprimir pequenos poemas, frases, palavras...enfim, um toque especial para uma bebida que tem tudo a ver com isso.

Eu, por exemplo, adoraria encontrar uma Message in a Bottle!

Fonte: ZH, edição de 02.09.10 - Contracapa do Segundo Caderno por Roger Lerina.

agosto 31, 2010

Fisgada pelo Parabéns!

As jogadas de marketing de relacionamento são, na minha opinião, as mais poderosas para as empresas destacarem-se hoje em dia. Que a tecnologia se copia todo mundo sabe, mas o atendimento não tem como. É uma questão de bom senso.

Na minha academia, Curves, o circuito dura exatamente 30 minutos e depois são mais 15 minutos de alongamentos. Ou seja, o tempo de permanência gira em torno de 45 a 60 minutos. Pouco?

Se compararmos com outras academias que já freqüentei, sim. Geralmente gastamos no mínimo 60 à 180 minutos em outras academias. Então, numa relação rápida, pode-se imaginar que estas, onde a permanecia é maior, são as que mais tem poder de encantamento do cliente. Certo? Errado.

Eu pelo menos nunca tinha tido a experiência que estou tendo agora. Na Curves, desde o primeiro dia sou chamada pelo nome. Além disto, existem inúmeras atividades que distraem as mulheres enquanto estamos suando.

Trata-se de um calendário de atividades que podem ser realizadas em paralelo ao circuito. Durante o mês tem, a festa Black and White – quem malha com estas cores ganha pontos e dinheiro Curves. A grande maioria dos artigos da academia só pode ser adquirida com o dinheiro Curves: camisetas, canetas, garrafinhas de água, porta CD, enfim...tudo que todo mundo gosta. Mas, na Curves o dinheiro não compra tudo.

Ao contrário, para ganhar estas notas especiais, algumas metas devem ser cumpridas. Manter uma rotina na academia, perder peso, medidas, indicar amigas, participar das atividades mensais, enfim...estar presente e motivada vale Curves!

Fora estas ferramentas de retenção, ainda existem a atenção das professoras mesmo e da filosofia da academia. Por exemplo, ontem recebi um cartão (escrito a mão) e cantaram parabéns a você para mim durante o circuito. Mal sabem elas que esta é minha data favorita do ano e que sem querer, me cultivaram em um dia que inclusive eu estava com ZERO de vontade de malhar!

O marketing de relacionamento salva! O segredo é conhecer o negócio e usar a criatividade, nem sempre ações absurdamente inovadoras são necessárias. Às vezes, o velho bom senso misturado com atenção ao cliente pode levar a empresa ao longe.

agosto 24, 2010

Enquanto a preguiça não vem...

Então a academia está bombando. Na semana passada fui três vezes e nesta já apareci por lá duas, inclusive cedinho da manhã.

Academia só para mulheres é uma idéia genial...pelo menos ao meu ver. Estes dias uma das meninas estava fazendo o circuito de botas. Salto baixo, mas botas. E a beleza é que isso certamente poderia acontecer comigo, porque ela por alguma razão levou só um pé do par de tênis. Ai entra a compreensão das outras...isso certamente poderia (e já deve ter acontecido), com outras.

Ontem, com o calor inexplicável não tinha como malhar de calça...então, vai para o shorts! Problema: estamos no meio do inverno, quantas mulheres estão em dia com a depilação e com as pernas bronzeadas? Alguém arrisca??

E esta academia não é como aquelas que as piores criticas são das outras mulheres, nesta por algum contrato silencioso, prometemos não julgar. Mas nos arriamos, ah isso sim.

Hoje pela manhã descobri que a data das minhas avaliações será sempre no dia 10. Ou seja, no dia 11 de cada mês provavelmente estarei sem dinheiro – depois de pagar todas as contas, e ainda por cima terei que encarar meus resultados físicos. Afff...

agosto 11, 2010

1º dia do Duke

Chegou meio ressabiado, quietinho...veio de São Leopoldo de carro com os pais. O trajeto de vinda foi repleto de regurgitações e timidez.

Chegando em casa, a Chica não deu muita bola, talvez por não compreender que trata-se de um novo irmão...o Duke.

Mas ele chegou...de vez. Pretinho, pequenino (ainda), com as sobrancelhas, patas, peito e bumbum laranjas. Muito parecido com Dona Heidi quando era pequena. A primeira noite foi muito tranqüila, até demais se querem saber. Nunca vi um filhote tão quietinho...

Hoje pela manhã já deu para perceber que isso não é um sinal de que ele será calmo como quando chegou. Alias, muito antes pelo contrário, observando as primeiras horas da manhã, pode-se arriscar dizes que ele é endiabrado.

Já come ração como se fosse gente grande, já fez número dois na sala e como todo adolescente, ainda não cresceu o bastante para ajustar-se ao corpo. As patas traseiras são maiores que ele, o que resulta num caminhar bem estranho e desengonçado.

Acordou cedo, já querendo festa. Em menos de 2 horas já estava latindo...ótimo. Até o momento seus brinquedos favoritos são:
- Coelho de pelúcia: presente que eu havia ganhado de páscoa, no momento está sem nariz.
- A bolsa de couro da mãe.
- O rabo da Chica...

A Chica por sinal está arrasada...late e desvia do caminho dele. Espero que o pessoal se ajuste, acho que ela pode estar até meio braba conosco por termos trazido um novo cusco para dentro de casa. Sem dúvidas ela será o brinquedo preferido dele. E, assim como a Heidi teve que suportar a chegada dela, agora é a hora de ela ser a irmã mais velha e aturar as brincadeiras que ele irá inventar.
Duke, nascido em 21 de junho de 2010.
Levado para casa em 10 de agosto de 2010.

agosto 10, 2010

Teste do pendulo!

Siiiiiiiiinnnnn....a verdade sempre aparece! A primeira das MUG's que passaram pela previsão de filhos da Mãe Celeste, teve hoje a confirmação de que o pendulo não mente!

No dia 23 de março de 2010, foi previsto que nossa grande amiga Sami seria mãe de uma menininha! E agora, depois de passar também pelo teste da poltrona, a confirmação.

O teste agora virou obrigação para minhas amigas...ahahaha no último churrasco da galera fizemos nas meninas e descobrimos inclusive um serviço agregado: confirmação de casamento!

Depois de fazer na namorada, fizemos no namorado: se o resultado for o mesmo é porque casa e melhor já começar a guardar dinheiro os padrinhos e preparar-se para a prole. Se, por acaso, o resultado for diferente...afff

As novas previsões estão bem parelhas...se a Bina se decidir, no total serão 16 crias na galera. Como a Aline está começando antes do resto, é bem provável que o dela seja designado a cuidar do resto, quando tivermos os encontros da galera e todos eles estiverem no cercadinho.

Distribuição de filhotes:
  • Babi: um casal...um menino e depois uma menina.
  • Bina: assim como a Mãe Celeste, o pessoal aqui ainda está indeciso...a primeira previsão é 1 menina, mas a segunda previsão (que foi feita duas vezes), revelou um menino e depois uma menina.
  • Sra. Jussimara Zobel: depois de fazer o teste 3 vezes, e aplicá-lo em casa na sua mãe só para confirmar, o resultado também é um casal: 1 menina e 1 menino.
  • Aline (a única gestante): está apavorada com todas as confirmações...se isso for verdade mesmo, ela espero o 1º de seus três filhos!
  • Belle: dois meninos, seguidos de uma menina e mais um menino para encerrar...segundo ela já aceita doações para as crianças...
  • Eu sigo nos meus três: um menino, uma menina e outro menino.

Agora...que este teste é prático é, imagina o tempo que se economiza decidindo desde agora o nome, colégio, time do coração, padrinhos...o Sandro que me desculpe, mas que funciona, funciona!

agosto 09, 2010

A luz no fim do túnel...ou do armário!

Para virginianas com eu, a simples idéia de inovar no guarda-roupa ou andar com roupas coloridas, podem tornar-se muito dolorosas. Claro que, não quero generalizar minhas companheiras de signo...sei que existem muitas que são normais se comparadas a mim.

Adepta da filosofia de que o sapato deve combinar com o cinto, que por sua vez deve ser igual à bolsa, para mim, usar diversas cores de uma só vez é uma tarefa sobre a qual até o sono perco.

Moda infelizmente não é meu forte. Bem eu queria ser capaz de alternar tecidos, cores, texturas, brilhos, etc. Mas não consigo. Por isso, diversas lojas me adoram...enquanto pessoas com senso fashion entram na loja e compram uma ou algumas peças, eu (em função da incapacidade de combinação), geralmente me mato para comprar o look todo.

Fora a consciência de que eventualmente alguém vai perceber que só uso a saia jeans quando vem acompanhada da meia-calça e botas marrom, camiseta bege, echarpe rosa bebe e bolsa marrom, ainda existe a pequena questão de que não tenho – nem de longe, o orçamento para cobrir nem duas semanas de conjuntos diferentes.

Mas, o anjo da guarda dos olhos alheios viu uma oportunidade de ajudar e agora recebo a revista da Bobstore. Salvação! A luz no fim do túnel. Claro que nem todos os problemas se resolvem, continuo precisando seriamente de ajuda "psico-fashion", mas já é uma melhora substancial.

Agora, dentro do meu armário, tenho as revistas que recebo com orelhas de macaco (cachorro, de acordo com a preferência do leitor), nas combinações que mais gosto e que são inventivas o bastante e deixam margem para a pessoa pescar o que tiver em casa. Tipo SOS, sabe? Sobras de ontem sortidas.

Fora isto, existem ainda dicas maravilhosas de viagem e contos divertidíssimos! Já estou na terceira edição e penso em ampliar o acervo e comprar algumas revistas do segmento...se bem que, tenho ainda que ver como catalogá-las para encontrar o que preciso...afff.

Arnaldo Jabor para as mulheres de 30 anos...ou mais...

Geralmente não sou muito de um escritor em particular...mas sempre valorizo muito a mensagem do texto e adoro ler alguns várias vezes.

Diversos me marcam e o que segue não é diferente. Ele é muito verdadeiro...pena que nós só nos damos conta disto quando estamos beirando os 30...Freud e o Celso explicam!

“A medida que envelheço, e convivo com outras, valorizo mais as mulheres que estão acima dos 30. Estas são algumas razões do porquê:

- Uma mulher de 30 nunca o acordará no meio da noite para perguntar: “O que você está pensando?”.
Ela não se importa com o que você está pensa, mas se dispõe de coração se você tiver intenção de conversar.

- Se a mulher de 30 não quer assistir ao jogo, ela não fica à sua volta resmungando.
Ela faz alguma coisa que queira fazer. E, geralmente è alguma coisa bem mais interessante.

- Uma mulher de 30 se conhece o suficiente para saber quem é, o que quer e quem quer.
Poucas mulheres de 30 se incomodam com o que você pensa dela ou sobre o que ela esta fazendo.

- Mulheres dos 30 são honradas. Elas raramente brigam aos gritos com você durante a ópera ou no meio de um restaurante caro.
É claro, que se você merecer, elas não hesitarão em atirar em você, mas só se ainda sim elas acharem que poderão se safar impunes.

- Uma mulher de 30 tem total confiança em si para apresentar-te para suas melhores amigas.
Uma mulher mais nova com um homem tende a ignorar mesmo sua melhor amiga porque ela não confia no cara com outra mulher. E falo por experiência própria. Não se fica com quem não confia, vivendo e aprendendo né???

- Mulheres se tornam psicanalistas quando envelhecem.
Você nunca precisa confessar seus pecados para uma mulher de 30. Elas sempre sabem…

- Uma mulher com mais de 30 fica linda usando batom vermelho.
O mesmo não ocorre com mulheres mais jovens.

- Mulheres mais velhas são diretas e honestas.
Elas te dirão na cara se você for um idiota, se você estiver agindo como um!

- Você nunca precisa se preocupar onde se encaixa na vida dela.
Basta agir como homem, e o resto deixe que ela faça.
- Sim, nós admiramos as mulheres com mais de 30 por um “sem” números de razões.
Infelizmente, isso não é recíproco.

Para cada mulher de mais de 30, estonteante, inteligente, bem apanhada e sexy, existe um careca, velho, pançudo em calças amarelas bancando o bobo para uma garçonete de 22 anos.

Senhoras, EU PEÇO DESCULPAS:

Para todos os homens que dizem, “porque comprar uma vaca se você pode beber o leite de traça?”, aqui está a novidade para vocês:

Hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento, sabe por quê?
Porque as mulheres perceberam que não vale a pena comprara um porco inteiro só para ter uma lingüiça. Nada mais justo.”
 
Arnaldo Jabor

Injeção de adrenalina

Quem nunca pagou um ano de academia e praticou só durante duas semanas, que atire a primeira pedra. Eu já. Várias vezes.

Hoje, pela 5ª vez eu acho me inscrevi em uma academia. Desta vez fui mais esperta...programinha de 6 meses só..uhum. Aquela famosa “operação golfinho” para o verão. Ou, como no meu caso, “operação foca”.

Agora, que é maravilhosa a sensação de inscrever-se na academia é...só de pensar que a atendente acredita que eu seja capaz de perder 4 kg em 3 meses me sinto super poderosa. E mais, desta vez fui completamente honesta, como fora de hora, adoro comidinhas gordas e não, não pretendo mudar meu cardápio. Mesmo assim, ela acredita que a meta possa ser atingida. Veremos.

Vou tentar manter uma atualização destas aventuras, talvez assim que motive mais a fazer efetivamente a academia, para ter algo para contar. Óbvio que não vou compartilhar as medidas de inicio, nem de meio e muito menos as traseiras. Mas, se fizer progresso, juro que publico.

Vim da academia até em casa pensando na fortuna que eu já devo ter gastado em coisas deste tipo...só estes programas de academia foram uns cinco. Fora a calça aquele que a pessoa compra pensando: “Hum, sim...daqui a pouco vou perder uns quilinhos e certamente ela entra”!

Essa é ótema! Alias, é exatamente por isso que agora me voy a academia...tem um armário inteiro esperando para ser usado!

Anyway, vou começar a Curves, às 07:00, na quarta. Ui. Aposto minhas mensalidades da academia que, esta será a manhã mais fria registrada no Estado nos últimos 30 anos. Just wait!

julho 13, 2010

Nasce Dona Duda

Indescritível a emoção de compartilhar o nascimento de um ser tão pequeno, tão inocente e já tão amada.

A gravidez da PICs foi muito tranqüila e serena. Nada a incomodava, tudo era uma nova vivencia e as experiências que ela juntou ao longo dos 10 meses (sim, 10...até hoje fomos enganado que a gestação sura somente 9 meses).

Durante o período de espera, ela leu somente um livro...nada de 10 mil indicações. Prestou atenção ao que ela sentia e poucas vezes se deixava levar pelo nervosismo das pessoas que a cercavam.

Ouviu diversas peripécias realizadas por outras mamães, papais, sogras, sogros, enteados, avós...enfim, todos tem uma opinião de como cuidar do neném. E, desde cedo ela sabia que faria da sua forma...por isso a tranqüilidade.

Tal é a sintonia entre mamãe e filha, que a Laura marcou a data e a Dona Duda apareceu. Mas, desde o início quem ditou as regras foi a pequena Maria Eduarda...se puxasse a mãe, acho que ficaria dentro da barriga pelo menos um ano.

A sala de espera era onde estava o pessoal mais nervoso, lá dentro, mamãe, filha e papai passavam muito bem obrigada. Sem nenhuma agitação ou nervosismo. A Duda só chorou na hora das vacinas e do teste do pezinho. Uma calma só...mas, quando aquela ali chora...affff....deu para ouvir do outro lado do vidro duplo!

Chegada a hora de colocar impressões digitais e os pés nos documentos de nascimento. Pinta os pezinhos de preto e....ela começa a se remexer tanto que toda tinta ficou nas pernas. Parecia um dálmata!

Eu, não podia estar mais boba...a foto dela já está por todos os lugares e se desse fazia um outdoor...imagino o sentimento dos pais.

Dona Maria Eduarda, nasceu hoje 13/07/2010 às 06:28.
Medindo 50 cm e pesando 3,450kg. Nasceu maior que seus pais...imagina.

Como me disse uma pessoa muito especial hoje (Marinha): “Toda criança ao nascer, traz a mensagem de que Deus ainda acredita nos homens”.

Espero fazer jus a isto. Bem-vinda Duda!

junho 30, 2010

Arrumando a gaveta das meias...

Alguém pode me explicar a real relação entre: arrumar o quarto e a cabeça?

Eu, particularmente, acho incrível a fórmula. Às vezes chego a ficar irritada comigo mesma por esquecer que, para colocar ordem na vida basta arrumar os arredores.

Ontem foram duas horas dedicadas à organização do meu armário, quarto, banheiro e escritório. Claro que, esta disposição veio como alternativa para não precisar sentar e seguir escrevendo o trabalho de conclusão da pós.

Seja qual for a razão que a Maria aqui se motivou, uma coisa é certa: funciona. Incrível, parece que agora vejo claramente a resposta para perguntas que antes pareciam o fundo do poço.

Hoje até tive disposição (e mais assustadoramente, tive vontade), se sair mais cedo da cama, fazer o café, ler o jornal, guardar as roupas que experimentei e não gostei de volta em seu devido lugar e arrumar a cama!

Até quando vai esse empolgação não sei...mas seria fantástico se lá pelas tantas ela contagiasse meu TCC e ele se escrevesse sozinho!

junho 23, 2010

Livros como terapia

Ando perdida ultimamente em mais de 2 mil páginas de livros que venho devorando. Por alguma razão específica, que certamente mais tarde irei desvendar, tenho me atraído muito aos livros e não consigo parar.

Pela primeira vez na vida, vou comprar 6 livros em um mês. O mais impressionante: certamente vou ler todos nesse mês.

Quem me conhece sabe, nunca fui muito da leitura. Quem dera tivesse a capacidade de ler 300 páginas em um fim de tarde na época do colégio. Acho que nem Deus desconfia de como isto teria facilitado minha vida acadêmica...fora o fato de que hoje seria mais esclarecida com relação à literatura.

Nem tudo é perfeito...sim, nem eu! Ahahaha

Mas, agora estou descobrindo que o que gosto mesmo é de livros que preencham alguma lacuna do meu momento de vida. Nas férias, quando estava com dúvidas profissionais, li "As Confissões de um Publicitário" de David Ogilvy em menos de uma manhã. Logo seguido pelo "Manual da Disciplina para os Indisciplinados", de Dulce Magalhães...que me ajudou a colocar o lado pessoal em perspectiva.

Agora, tento ler "A Cabeça de Steve Jobs" de Leander Kahney,  já tem meio ano e não consigo progredir...não que as dúvidas profissionais não persistam, mas pelo visto, não é a maior lacuna no momento.

Estou começando a descobrir que os livros que me atraem são na verdade uma eficiente seção terapêutica. Não porque me preenchem onde estou rasa (usar a palavra vazia parece dramático demais e não é a situação), mas porque se eu prestar atenção, consigo identificar ONDE estou me sentindo rasa.

Achei uma página super legal em minhas andanças pela internet. Trata-se de um site dedicado à sagas literárias...se tem mais alguém por ai parecido comigo, é uma boa pedida dar uma conferida: http://www.livrosemserie.com.br/

maio 11, 2010

Pra baixo todo santo ajuda!


Então, hoje tive a confirmação desta frase. Subi o pão de açúcar. Sim...
Só por uma irmã mesmo para fazer isto...de outro jeito acho que não teria encarado. E só porque era a irmã mais nova também (para não transparecer medo e desespero), porque se fosse com a mais velha acho que teria esperado ela fazer o passei.

Mas enfim, compramos as entradas – aviso aos navegantes, R$ 44,00 até o pão de açúcar...a metade do preço te deixa na metade do caminho, no morro da Urca. Se perguntarem para mim, que tenho pânico de altura, eu diria que é mais do que bom a ida até a metade do caminho.

Mas, compramos a subida toda. 1 milhão de metro do chão. Mãos suando, coração disparando...se fosse só o medo da altura em si, de cair...seria mais simples. Eu não, o meu medo de altura se traduz na vontade de me atirar dos lugares altos. Sem desejo suicida, só para chegar mais rápido ao chão.

Subimos no bondinho, bom que ele estava meio vazio, porque fora a vontade de me atirar não precisava também estar preocupada com a ocupação máxima do bonde.

A subida foi muito complicada, um terço de reza, as pernas balançando, o bondinho sacudindo...tive que segurar a mão da irmã mais nova, aquela que eu estava tentando impressionar, sabe?

Chegamos ao morro da Urca. UFA! Dúvida, engano ela e digo que o passeio era só até ali ou falo a verdade e encaro mais uma subidinha?

Depois de 10 mil fotos, falei a verdade e entramos na fila para a próxima seção de tortura. Os tetos dos bondinhos são bem interessantes...

Lá de cima é impossível acreditar que quase não subi. O dia estava lindo, céu azul, mar verde...deu para ver até o infinito. Nestas horas, quando nos damos conta da beleza do mundo até nos esquecemos dos medos e sentimos como se tivéssemos asas...não que eu fosse tentar voar de lá. A Patrícia queria dar a volta completa, isto incluiu uma caminhada pelas trilhas no meio da mata.

Onde descobri que, existem mosquitos ainda maiores do que a minha imaginação era capaz de criar. Mas, tenho que admitir que, muitas picadas depois, suor no bigode e as pernas cansadas, valeu a pena.
Bom, hora de descer. AVE!

Só que na volta, estava muito tranqüila. Nem parecia a mesma medrosa que subiu. Estava com uma força interior que dá até inveja de ver. Até o morro da Urca tirei de letra! Pensei: “no trecho do morro da Urca até o chão vou tirar até foto dentro do bonde!”, tal era a convicção de que tinha superado meu medo.

Afinal, para baixo todo santo ajuda! E ajuda mesmo, nem senti a volta.
Santo também foi o anjo da guarda de um grupo adolescentes que fizeram este último trecho conosco. Um deles teve a brilhante idéia de querer pular no bonde para fazê-lo balançar...ai pensei: “Eu mato. Juro que mato”. Foi nessa hora que o piá me olhou e pensou duas vezes.

Seja Santo ou seja Anjo, na descida todos eles ajudam.

maio 09, 2010

FELIZ DIA DAS MÃES

Em nossos primeiros anos, ela é fonte de vida, comida e transporte.
Aos 10 anos, é nossa heroína.
Aos 15, muitas brigas.
Quando chegamos aos 20, percebemos do que ela estava falando.
Aos 25, pedimos o seu conselho, no qual não acreditávamos há 10 anos.
Aos 30, queremos ser como ela!
E, quando também nos tornamos mães, queremos o seu colo.
Seja qual for a fase da nossa vida, ela nos ama incondicionalmente e torce pelo nosso sucesso.
Feliz dia das mães às mamães da minha vida!

abril 19, 2010

Correndo por ai

Ontem participamos da corrida ECO RUN 2010 da Braskem. Jamais em todos os meus 28 anos imaginei que estaria um dia correndo por vontade própria...dado que o início foi por livre e espancada vontade...mas não nego que agora estou começando a gostar.

É muito engraçado, nunca imaginei possível que 3000 pessoas acordassem incrivelmente cedo no domingo para correr...mas acontece. Para mim, os domingos começavam sempre a partir do meio dia, mas tudo bem.

Hilário é ver a agitação e o nervosismo dos atletas. A largada é dividida em quatro grupos, dos mais rápidos, os famosos Quenianos até os menos ligeiros. Eu fico lá atrás para não atrapalhar o pessoal que está disputando de verdade. Pra mim, prova bem sucedida é a que termino, se der de preferência não em último lugar.

Mas na largada é sempre a mesma coisa, faltando dois minutos as pessoas começam a pular, se empolgar, gritar...e eu ali, quietinha, até parece que vou ficar gastando energia desse jeito antes de começar a correr. Rá.

Segundo o Dieter, a chegada é a parte mais engraçada da corrida (eu, por motivos óbvios, não saberia dizer). O primeiro grupo que chega são aqueles corredores profissionais os de excelente desempenho, a respiração está em ritmo igual e leve. Os pés mal fazem barulho ao tocarem o chão. São estes que geralmente, “voam” por mim nos meus primeiros 15 minutos de corrida, eu tentando chegar no ponto de retorno e eles já rumo à linha de chegada. Ótimo para meu ego.

Depois, vem os atletas médios, como diz o Dieter. Os passos destes já são mais notáveis e a respiração já está mais abalada. Mas, ainda estão em sincronia com os que chegam logo a frente ou pouco atrás.

Por último, os famosos Ass-dragers. O meu grupo. A respiração está toda errada, a meta agora é simplesmente estar respirando ao passar pela linha de chegada...o ritmo da respiração já nem interessa mais. Se não fosse a notável dor no rim, que mais parece que alguém está com uma faca cravada ali, nem daria para notar que ar está entrando e saindo. O rosto é vermelho tomate, o cabelo está um ninho de pássaro e o “bigodinho” suando feito loco! Podre de chiq.

Passou da chegada vem sempre uma santa criatura e se oferece para tirar o chip da corrida do cadarço do seu tênis. Deus abençoe estas criaturas, se não fossem por elas, eu estaria sentada até agora no chão tentando amarrar os tênis. Depois disto ganhamos a medalha de término de prova. Aquela feita para embasar a teoria do “o que importa é participar...porque ganhar nem pensar”. E logo saímos da área reservada aos atletas para dar continuidade ao domingo. O meu resume-se em banho, comilança, chopinho e cama!

Mal posso esperar para disputar a próxima prova!
Chegando aos 33 minutos e 58 segundos. Viva!

abril 14, 2010

Compre sem pagar

Brasileiro adora uma barbada, um brinde, um mimo. Esta nova forma de interação cliente – marca tem todos (ou quase todos), os ingredientes para dar muito certo. Trata-se do clube Amostra Grátis que está chegando ao Brasil.

Conceito já implantado em outras cidades no mundo, trata-se de uma loja onde o cliente tem direito de levar até 5 produtos por mês sem precisar pagar. SÉRIO? Sim. Fora a taxa de R$ 50,00 (preço promocional de inauguração), não se paga mais nada.

Na verdade é uma ótima estratégia de interação da marca, onde os clientes podem testar os produtos e dar seus pareceres. Em troca, levam o produto de graça para casa. É uma estratégia válida e muito interessante.

O cliente que não paga pelo produto, certamente fará uma melhor avaliação do mesmo se der problema, por exemplo porque ele não terá raiva de si mesmo caso o produto não funcione e não será tomado pelo sentimento de bobo por ter comprado uma “porcaria”.

As empresas ganham com os aprimoramentos que os clientes que realmente utilizam seus produtos podem trazer. Na verdade elas ganham bem mais do que isso, ganham em imagem, proximidade de públicos, possibilidade de inovação nos produtos e processos (sem contar na idéia em si) e novas estratégias de venda e comunicação.

Muito boa pedida!

Maiores informações de como se cadastrar ou como ofertar produtos da sua empresa em: www.clubeamostragratis.com.br

Melhor cachorro do mundo!

Difícil dizer tchau da forma correta para a Heidi, de maneira que ela entenda o quanto significou em nossas vidas e o quanto a amamos. Era bem mais que um cachorro...uma amiga querida. Engraçado como estas relações se formam e como sentimos falta destes pequenos companheiros.

É um amor incondicional deles para nós. Independentemente do que acontecesse, ela estava sempre sorrindo no portão quando chegávamos e sempre fazia companhia enquanto estávamos em casa. Dormia na cama e como qualquer ser, roubava as cobertas se sentisse frio.

Nunca tinha tido a oportunidade de acompanhar um cachorro durante toda sua vida. Acompanhei a Heidi por 11 anos...belos anos, fui abençoada por ter tido contato com uma forma tão pura de amor. É muito difícil dizer adeus. Sei que todos os dias pessoas sofrem perdas irreparáveis e pelo menos minha preta foi tranqüila e serena. Mas mesmo assim é um saco!

Mas, não tínhamos como deixá-la adoecer cada vez mais, transformando-se em um cachorro desconhecido e cheio de tubos, problemas, curativos...sem qualidade alguma de vida. Ela era mais digna que isso. Foi a pior decisão que já tomei até agora e espero nunca ter que fazê-la novamente. Fizemos porque a amamos demais para deixá-la sofrer.
Minha preta, amada, minha parceira...fiel escudeira.

Isso era chegar em casa.

abril 12, 2010

Sometimes a song says it best

"There's only yes
Only tonight
We must let go
To know what's right

No other course
No other way
No day but today

I can't control
My destiny
I trust my soul
My only goal is just
To be

There's only now
There's only here
Give in to love
Or live in fear

No other path
No other way
No day but today..."
 
RENT Musical - Another Day.

março 26, 2010

Parabéns Porto Alegre

É aniversário de Porto Alegre, 238 anos. E eu, com meus 28 anos...passei quase que todos nesta cidade.

Essa é minha cidade...não fui feita para ela, mas ela foi feita para mim. Ando pelas ruas sem nem saber (na maioria das vezes), o nome...mas conheço-as bem. Acho que isto significa que temos intimidade. Conheço cantinhos especiais e desconheço ainda assim muitos lugares, pois Porto Alegre me ensinou a ter tradição...assim, acabo sempre nos mesmos lugares.

Porto Alegre
Forno Alegre
Happy Harbor
POA

Aqui nasci, no Hospital Moinhos de Vento, palco também do nascimento de muitos amigos...
No Menino Deus desci do berço sozinha pela primeira vez...para alegria dos meus pais...e engatinhei para liberdade.
Na zona Sul dei meus primeiros passos em um macacão amarelo com pezinho e uma flor vermelha na cabeça...
Certamente antes disso, caí pela primeira vez também. E em Porto Alegre, me levantei pela primeira vez.

Já rodei no colégio em Porto Alegre e já, em muitas ocasiões, passei por média.
Me formei no colégio em POA.
Passei no vestibular...e me formei na faculdade!
Consegui meu primeiro emprego em Porto Alegre.

Já briguei com a cidade e fui embora furiosa. Só para voltar depois de alguns meses e encontrá-la da forma como a deixei. Independentemente da fase da minha vida, ela sempre esteve aqui...e no final de cada dia, ao andar pela cidade, ela vai me lembrando dos momentos que passei.

Chorei e sorri inúmeras vezes por aqui...já andei pelas ruas de carrinho, a pé, de bicicleta, de patins, de ônibus, de carro, de táxi...hoje até corro pelas ruas de Porto Alegre.

Cozinho no calor do nosso verão e congelo nos ventos do nosso inverno. Vejo as flores nascerem, secarem, caírem. Sempre com as mesma serenidade...já vi até as árvores enlouquecerem por esta cidade e florirem fora de estação.

Defendo o Parcão quando dizem que é uma praça...o Guaíba quando dizem que é lago...

São 210 anos vividos antes de mim e certamente serão muitos depois...mas eu vivo aqui e nos últimos 28 anos escrevi minha história em Porto Alegre. Terra de gaúcho, cidade provinciana. De Gambrinus no sábado e Barranco no domingo. Lugar de amigos, peripécias, causos. Terra de Gre-nal. Porto Alegre faz parte de mim. É meu porto seguro. Palco da minha vida. Feliz Aniversário amiga querida!
Fonte: http://www.zerohora.com/ - 26/03/2010

março 23, 2010

Uma das funcionalidades do blog

Hoje recebi da Sami o link para um comercial da Heineken. Devo dizer que, pelo menos ultimamente, eles tem sido os mais criativos e que mais fizeram interações entre marca e consumidor através da veiculação dos comerciais em diversos países.

Onde entra o blog nisso? Sabe aqueles encontros de amigos em que surgem idéias loucas, mas muito engraçadas? Ou nem só idéias, onde por exemplo, às vezes são feitas as brincadeiras tipo fazer votação para ver qual dos amigos será eliminado da casa. É nestas horas que surgem as idéias boas para interações de marcas e clientes, pois geralmente os artefatos utilizados nas brincadeiras são produtos aos quais somos fiéis..ou seja, aqueles que compramos e que estão naquele momento sendo consumidos...tipo cerveja.

Temos que registrar esses momentos...as mulheres geralmente começam a fazer isto em uma idade jovem...os famosos diários. Hoje nós crescemos e o conteúdo dos nossos diários já não é mais tão secreto como era antigamente...hoje os pensamentos podem ser escritos num blog. Assim como os acontecimentos que podem virar histórias depois.

O comercial do qual estou falando deve ter surgido de um componente do grupo de criadores que comentou que uma vez quis fazer isso...ou de alguém que leu em algum lugar alguém que fez isso! Ou melhor ainda, aquele alguém que viveu isto!

Tomem nota das suas vidas, pois geralmente a arte imita a vida e vice-versa... ou nesse caso o marketing imita a vida...e que forma melhor para conectarmos com o nosso consumidor se não replicar a ele aquilo que lhe dá prazer?

http://www.youtube.com/watch?v=882Xm56WpbY